Emagrecimento e Biomagnetismo – qual a relação?

EMAGRECIMENTO e BIOMAGNETISMO

Um estudo apresentou a confirmação de que uma espécie de bactéria está ligada à obesidade.

89AEC22C-F6B8-451A-BEAD-B15C35A670CA
O trabalho, que envolveu humanos e camundongos, conseguiu levar um obeso de 26 anos a perder 51,4 kg em 23 semanas. O indivíduo, com 1,72 m de altura, começou o tratamento com 174,8 kg.
Ele se alimentava quatro vezes ao dia, com direito a 1.344 calorias diárias. Mas, além da restrição calórica, a alimentação foi planejada para cortar a multiplicação de bactérias Enterobacter no intestino do sujeito.
Exames mostraram que ela representava 35% das bactérias no intestino dele antes do estudo. Após nove semanas com o mingau especialmente preparado para o experimento, essa proporção caiu para 1,8% (com perda de peso de 30,1 kg). Em 23 semanas, a bactéria passou a níveis indetectáveis.

791DB9A5-3CA6-4066-A5C7-10C6E86B7219
Até aí, no entanto, havia apenas uma correlação entre a bactéria e a perda de peso. Para tirar a prova, os cientistas usaram camundongos. Em alguns, eles introduziram a enterobacter do paciente, em outros, não.
Então, passaram a alimentar os animais com uma dieta de alta caloria. Os que tinham a bactéria logo desenvolveram obesidade e resistência a insulina. Os que estavam livres do microrganismo, não.
O resultado vem a corroborar estudos recentes, conduzidos inclusive no Brasil, que já indicavam que a composição da flora intestinal é determinante no desenvolvimento da obesidade.
E agora há um tipo específico de bactéria a culpar: a cepa Enterobacter cloacae B29, isolada pelos cientistas”.

EEC1FB31-28F6-41B2-A00D-C23A59F2AFC3
No rastreio de avaliação do Biomagnetismo, essa bactéria é encontrada no par Cólon descendente/Cólon descendente, e a despolarização deste par usando os ímãs, promove a inativação da mesma.
“Nossa pesquisa não para aqui”, disse à Folha Liping Zhao, da Universidade Jiao Tong de Xangai, um dos autores do estudo. “A B29 não é a única com esse efeito na obesidade.
Nosso trabalho estabeleceu um protocolo para descobrir mais delas.”
Espera-se que o conhecimento das bactérias maléficas à digestão ajude a moldar as dietas. Além disso, o resultado pode explicar por que há pessoas que comem bastante mas engordam muito menos que outras.
Zhao admite que o trabalho também pode levar a novas drogas antiobesidade, mas sugere que a melhor solução é eliminar as bactérias ruins por meio da alimentação. “A dieta é a ferramenta mais poderosa para moldar a saúde, parcialmente pela forma como muda a composição da microbiota intestinal.”
O trabalho foi publicado no periódico da Sociedade Internacional para Ecologia Microbiana, o Isme Journal”.

Repost de Regiane Oliveira

 

 

925961AF-D7CB-4366-9A16-D40BD6AEE1A5

Estudo afirma que bactérias têm relação com dificuldade em perder peso

Além de fatores genéticos e hábitos cotidianos, a presença de determinadas bactérias na flora intestinal pode dificultar a perda de peso

Praticar exercícios e manter uma dieta equilibrada são o principal caminho para quem deseja perder alguns quilinhos, certo. Mas, além desses dois fatores, também é necessário verificar como andam as bactérias que vivem em seu intestino: um estudo realizado em uma clínica especializada em perda de peso afirmou que a microbiata intestinal (também chamada de flora intestinal) influencia a maneira como cada indivíduo responde a dietas e outros procedimentos para perder peso.

De acordo com Purna Kashyap, um dos médicos envolvidos na pesquisa, algumas pessoas não conseguem diminuir sua massa corporal mesmo reduzindo a quantidade de calorias ingeridas diariamente. Um dos motivos para isso, além de predisposições genéticas, seria a presença de determinadas bactérias no intestino envolvidas com a quebra das partículas dos alimentos.

De acordo com Purna Kashyap, um dos médicos envolvidos na pesquisa, algumas pessoas não conseguem diminuir sua massa corporal mesmo reduzindo a quantidade de calorias ingeridas diariamente. Um dos motivos para isso, além de predisposições genéticas, seria a presença de determinadas bactérias no intestino envolvidas com a quebra das partículas dos alimentos.

9BD322CE-CC14-4E24-9EBA-B3EC3149357C

A explicação para isso seria a maneira como essas bactérias interagem na quebra de compostos como carboidratos: apesar de fornecer energia adicional ao organismo, isso seria um obstáculo para aquelas pessoas dispostas a reduzir a massa corporal.

O ser humano possui 10 trilhões de células “próprias”, enquanto hospeda cerca de 100 trilhões de bactérias, que vivem principalmente na pele, boca, genitália e intestino. Elas ajudam em uma série de atividades, como a síntese de vitaminas importantes e a manutenção do metabolismo humano, além de proteger contra microrganismos patogênicos.

 

Fonte: Galileu

https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/Saude/noticia/2018/08/estudo-afirma-que-bacterias-tem-relacao-com-dificuldade-em-perder-peso.html

Gostou? Compartilhe com seus amigos

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email
Share on print

Deixe uma resposta

Blog Vidha Vera

Este é um espaço pensado para compartilhar conhecimento e experiências relacionados ao desenvolvimento humano e às terapias integrativas. Convidamos a deixarem sua opinião sobre os temas publicados, para que possamos conhecer mais sobre vocês e seus principais interesses.

Categorias

Agenda