Bactérias encontradas no cérebro de Alzheimer

Um novo estudo publicado no Frontiers in Aging Neuroscience fornece novas evidências de que a infecção bacteriana e a inflamação podem contribuir para a doença de Alzheimer. Os pesquisadores descobriram uma razão global dez vezes maior de Actinobacteria para Proteobacteria nos cérebros dos pacientes de Alzheimer em comparação com aqueles sem a doença.

Cérebros de pacientes com doença de Alzheimer mostram mudanças nas populações bacterianas em comparação com cérebros saudáveis.

Pesquisadores do Reino Unido usaram sequenciamento de DNA para examinar bactérias em cérebros post-mortem de pacientes com doença de Alzheimer. Suas descobertas sugerem aumento de populações bacterianas e diferentes proporções de bactérias específicas no Alzheimer, em comparação com cérebros saudáveis. Os resultados podem apoiar evidências de que a infecção bacteriana e a inflamação no cérebro podem contribuir para a doença de Alzheimer.

A doença de Alzheimer é uma doença neurodegenerativa que resulta em declínio cognitivo e, eventualmente, morte. No cérebro, a doença faz com que os neurônios morram e quebrem, e envolve altos níveis de um peptídeo chamado amilóide e agregações de uma proteína chamada tau. No entanto, os cientistas estão começando a perceber que a inflamação também pode desempenhar um papel.

“Cérebros de Alzheimer geralmente contêm evidências de neuroinflamação, e os pesquisadores cada vez mais pensam que isso poderia ser um possível direcionador da doença, fazendo com que os neurônios do cérebro se degenerem”, diz David Emery, pesquisador da Universidade de Bristol, e autor de o estudo, que foi recentemente publicado em Frontiers in Aging Neuroscience.

Então, o que está causando essa inflamação? Alguns fatores de risco genéticos para a doença de Alzheimer podem ter efeitos sobre a resposta inflamatória, mas a infecção também pode desempenhar um papel. “Neuroinflamação no cérebro pode ser uma reação à presença de bactérias”, diz Emery. O cérebro é normalmente selado por trás dos vasos sanguíneos especializados, o que torna muito difícil que coisas como bactérias no sangue entrem. No entanto, pelo menos um dos fatores de risco genéticos para a doença de Alzheimer pode fazer com que esses vasos sanguíneos percam parte de sua integridade, o que poderia permitir a entrada e colonização de bactérias no cérebro.

A equipe de pesquisa se propôs a descobrir se havia diferenças nos tipos de bactérias presentes nos cérebros de pacientes com doença de Alzheimer e cérebros saudáveis. “Estudos anteriores sobre bactérias no cérebro de Alzheimer investigaram principalmente espécies bacterianas específicas”, explica Shelley Allen, outra pesquisadora envolvida no estudo. “Queríamos usar um método imparcial para obter a visão mais completa possível de toda a população bacteriana no cérebro de Alzheimer e comparar esses resultados com os de um cérebro saudável”.

Os pesquisadores analisaram oito amostras de cérebro de Alzheimer e seis de um cérebro, onde as pessoas doam seus cérebros após a morte para pesquisas médicas. Eles usaram uma técnica chamada sequenciamento de próxima geração (NGS) para detectar genes bacterianos específicos. “A tecnologia NGS permite que milhões dessas moléculas de DNA sejam sequenciadas ao mesmo tempo, fornecendo uma visão geral imparcial de uma população bacteriana complexa”, explica Allen.

Eles descobriram que os cérebros de Alzheimer continham diferentes proporções de bactérias específicas em comparação com os cérebros saudáveis. “Comparando as populações bacterianas mostrou pelo menos dez vezes maior proporção global de Actinobacteria (principalmente P. acnes) para Proteobacteria no cérebro de Alzheimer em comparação com o cérebro saudável”, diz Emery.

Pesquisadores descobriram que os cérebros de Alzheimer continham diferentes proporções de bactérias específicas em comparação com os cérebros saudáveis.

No entanto, os pesquisadores ficaram surpresos ao descobrir que também parecia haver mais bactérias nos cérebros de Alzheimer. “Inesperadamente, os cérebros de Alzheimer deram, em média, um aumento aparente de 7 vezes nas seqüências bacterianas acima do observado no cérebro saudável”, diz Allen. “Os cérebros saudáveis ​​produziram apenas baixos níveis de seqüências bacterianas, consistentes com um sinal de fundo ou níveis normais presentes na corrente sanguínea no tecido cerebral.”

A equipe adverte que o método NGS não indica diretamente números reais de bactérias, e mais trabalho será necessário para confirmar que as bactérias desempenham um papel ativo na doença de Alzheimer. “Precisamos de estudos quantitativos sobre a presença bacteriana no cérebro”, diz Allen. “Um número maior de amostras cerebrais é necessário, e estudos futuros também devem investigar se as bactérias estão envolvidas em outras doenças neurodegenerativas envolvendo neuroinflamação.”

SOBRE ESTE ARTIGO DE PESQUISA DE NEUROCIÊNCIA

O estudo foi apoiado pela Bristol Research em Alzheimer e Cuidados do Idoso, Sigmund Gestetner Trust.

Fonte: Melissa Cochrane – Fronteiras

Pesquisa original: pesquisa de acesso aberto completo para “16S rRNA Next Generation Sequencing Analysis mostra bactérias no cérebro pós-morte de Alzheimer” por David C. Emery, Deborah K. Shoemark, Tom E. Batstone, Christy M. Cachoeira, Jane A. Coghill, Tanya L. Cerajewska, Maria Davies, Nicola X. Oeste e Shelley J. Allen em Fronteiras no Envelhecimento da Neurociência. Publicado online em 20 de junho de 2017 doi: 10.3389 / fnagi.2017.00195

Fronteiras “Bactérias encontradas no cérebro de Alzheimer”. NeurociênciaNotícias. NeuroscienceNews, 17 de julho de 2017.

http://neurosciencenews.com/alzheimers-brain-bacteria-7091/

 

Abstrato

Análise de Sequenciação de Próxima Geração 16S rRNA Mostra Bactérias no Cérebro Pós-Mortem de Alzheimer

A deterioração neurológica associada à doença de Alzheimer (DA), envolvendo o acúmulo de peptídeos beta-amilóide e emaranhados neurofibrilares, está associada à neuroinflamação evidente. Isto agora é visto como um contribuinte significativo para a patologia. Recentemente, o princípio do status privilegiado do cérebro, em relação ao comprometimento microbiano, tem sido questionado, particularmente em termos de doenças neurodegenerativas. Está sendo considerado agora que a incursão microbiológica no sistema nervoso central pode ser um iniciador ou um contribuinte significativo para estes. Este é um novo estudo usando sequenciamento de próxima geração (SNS) específico do gene 16S ribossômico do tecido cerebral extraído. Foi feita uma comparação do conteúdo de espécies bacterianas de seções fixas congeladas e formaldeído de uma pequena coorte de casos afetados por Alzheimer com aquelas de cognitivamente não comprometidas (normal). Nossos resultados sugerem um aumento nas populações bacterianas no tecido cerebral de Alzheimer em comparação com o normal.

“16S rRNA Next Generation Sequencing Analysis mostra bactérias no cérebro pós-morte de Alzheimer” por David C. Emery, Deborah K. Shoemark, Tom E. Batstone, Christy M. Cachoeira, Jane A. Coghill, Tanya L. Cerajewska, Maria Davies, Nicola X. West e Shelley J. Allen em Fronteiras no Envelhecimento da Neurociência. Publicado online em 20 de junho de 2017 doi: 10.3389 / fnagi.2017.00195

https://neurosciencenews.com/alzheimers-brain-bacteria-7091/?fbclid=IwAR0hpS8Dq_OnrfpfEZQigTvYoJc46xDVQ8mEz5QQhBU0b402zkfZxpUhm5c

Gostou? Compartilhe com seus amigos

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email
Share on print

Deixe uma resposta

Blog Vidha Vera

Este é um espaço pensado para compartilhar conhecimento e experiências relacionados ao desenvolvimento humano e às terapias integrativas. Convidamos a deixarem sua opinião sobre os temas publicados, para que possamos conhecer mais sobre vocês e seus principais interesses.

Categorias

Agenda